Comitiva de Itá realiza visitas técnicas com objetivo de melhorar o sistema de tratamento de resíduos sólidos do município

Geral 17.09 08h30

Na última segunda-feira, 13 de setembro, o Vice-Prefeito Municipal e Secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico de Itá, Moacir Sartoretto, a Engenheira Civil, Marta Bender Sartoretto, responsável pelo Departamento de Engenharia, o Engenheiro agrônomo, Lindomar Pritsch, Gerente de Meio Ambiente e o Técnico em Segurança do Trabalho, Alexandre Lacerda de Alencar, Diretor Geral de Compras, reuniram-se, em Chapecó, com consultoras do Instituto Lixo Zero Brasil (ILZB), que é uma organização da sociedade civil autônoma, sem fins lucrativos e pioneira na disseminação do conceito Lixo Zero no Brasil, integrante da organização internacional Zero Waste International Alliance. Este Instituto teve importante atuação na aplicação do “Programa Chapecó Lixo Zero”, que tem trazido importantes avanços na sustentabilidade socioeconômica e ambiental do tratamento de resíduos sólidos da cidade.

A comitiva foi recebida pela Consultora e Auditora do Instituto Lixo Zero, Luíza Denardin Poletto e Marina Petzen, Bióloga e Empreendedora Ambiental. Na oportunidade houve troca de experiências sobre diferentes iniciativas relacionadas à questão de resíduos sólidos urbanos, além de duas visitas técnicas. Na primeira, a uma cooperativa de catadores, foi demonstrado todo o processo de separação e acondicionamento dos materiais recicláveis para posterior comercialização. Já a segunda foi ao 2º Batalhão da Polícia Militar Ambiental de Santa Catarina que foi o primeiro Batalhão a ter certificação Lixo Zero do Brasil pela ILZB. Ambas as visitas proporcionaram a constatação da aplicação prática do conceito Lixo Zero:  máximo aproveitamento e correto encaminhamento dos resíduos recicláveis e orgânicos e a redução – ou mesmo o fim – do encaminhamento destes materiais para os aterros sanitários e\ou para a incineração.

O poder executivo municipal busca parcerias para melhorar o sistema de tratamento de resíduos sólidos do município, bem como adequar-se ao Novo Marco do Saneamento (LEI Nº 14.026, DE 15 DE JULHO DE 2020) que, dentre outras coisas, obriga os municípios a garantir a cobrança da “taxa do lixo” e a sustentabilidade econômico-financeira do sistema de coleta e destinação, aplicando o princípio do “poluidor-pagador” assegurando que a cobrança seja efetuada levando em consideração todos os fatores socioeconômicos, principalmente uma métrica que garanta equivalência entre volume de resíduos produzida e pagamento de taxa.